Dia da Mulher Negra, Latino-Americana e Caribenha

Dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha

Dia da Mulher Negra, Latino-Americana e Caribenha

Em 25 de julho comemoramos o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra e o Dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha, a data foi sancionada pela Lei nº 12.987/2014. Tereza de Benguela foi uma líder do quilombo Quariterê, e viveu no século XVIII. Depois da morte do companheiro José Piolho, Tereza se tornou a rainha do quilombo, e através de sua liderança resistiram à escravidão por duas décadas até 1770, quando o quilombo foi destruído pelas forças do governador da capitania do Mato Grosso, Luiz Pinto de Souza Coutinho. Parte da população (79 negros e 30 índios) foi assassinada e outra, aprisionada.

Nesta terça-feira (25/07), a Secretária Nacional da Mulher e Presidente do MBD Mulher RJ, Kátia Lôbo, conduziu o evento – que acontece todos os anos no partido – para homenagear 25 projetos ou profissionais que se destacaram pela sua atuação política e social no estado do Rio de Janeiro. A executiva do MDB/RJ formada por Leonardo Picciani, Washington Reis e Rafael Picciani enviaram uma mensagem para o público presente, pois estavam em compromissos fora do Rio. O evento reuniu lideranças religiosas e do movimento das mulheres, o Subsecretário Estadual de Esporte e Lazer do Rio de Janeiro, Gelby Justo, e os presidentes dos Núcleos do MDB/RJ: Diversidade, Afro e Comunitário.

O presidente da FUG-RJ, Celso Jacob, abriu o evento ressaltando a importância da FUG para quem deseja ingressar na política. “A FUG tem diferentes cursos que capacitam as mulheres e está à disposição de vocês. Ao ver o auditório lotado, vejo que vocês falaram sim para o evento”. Logo depois, foi a vez da atual Secretária Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos do Rio de Janeiro, Jurema Batista, ministrar a palestra “Mulher Negra na Política”. Jurema fez um panorama da sua trajetória até ganhar 4 eleições: 3 como vereadora e uma para deputada estadual. “Por que as datas são importantes? Datas são marcos. Até chegarmos em Teresa de Benguela, temos uma longa história. Eu ouvi muita gente dizer que eu não chegaria a uma universidade. Mas a gente vai quebrando os protocolos do que a sociedade acha sobre nós. Nossa questão como mulheres pretas é não perdermos o foco. Nossa luta é pela igualdade racial. Mariele disse não sei se fico 4 anos e 40 minutos depois faleceu. Eu e a Kátia somos de partidos diferentes, mas o que nos une é vontade de mudar o mundo”, afirmou.

Kátia Lôbo ressaltou a importância de a sociedade combater o racismo estrutural e garantir mais diversidade nos cargos em todas as esferas. “Precisamos de projetos de valorização da cultura e história afro brasileira. Temos que investir em educação da juventude negra, estimular o empreendedorismo e a inovação. No entanto, não adianta termos um sistema de cotas, se não estamos prontos para ocupar estes espaços”.

Projetos e Profissionais homenageados:

Projeto Adotados 
Projeto Dorcas
Projeto Vem ser feliz
Projeto Cantinho
Dandara Aquino
Amanda Machado
Rosane Ketelen
Fabiana Pinheiro
Nadia Marinho
Carla Lessa
Alessandra Nizinga
Leila Ribeiro*
Hilda Gomes Rezende
Mãe Cláudia de Oyã
Silvana (Sueli
Zani de Oyã
Tabata Luz
Nice Baiana
Tatiane Caxambu
Juliana Carvalho
Shelida A. dias (póstuma)
Joana Nascimento
Cida Santos
Juliana Santos
Jurema Batista
Vera Baiana

Rolar para o topo